Cursos pré-congresso CPC 2022: o objetivo é “garantir uma formação médica de qualidade”

16/03/22
Cursos pré-congresso CPC 2022: o objetivo é “garantir uma formação médica de qualidade”

“São umas das partes mais importantes do CPC”, afirma a Prof.ª Doutora Alexandra Sousa referindo-se aos cursos pré-congresso. São já uma “tradição” e este ano realizam-se nos dias 20 e 21 de abril, antecedendo o início do evento principal: o Congresso Português de Cardiologia 2022 (CPC2022). A My Cardiologia entrevistou a Prof.ª Doutora Alexandra Sousa, especialista na área, que abordou os principais aspetos das formações destinadas a profissionais de saúde de várias áreas. Assista à entrevista em vídeo.

O Centro de Congressos do Algarve, localizado em Vilamoura, recebe de 22 a 24 de abril o CPC2022 organizado pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC). Antes do evento, decorrem 12 cursos que pretendem “garantir uma formação médica de qualidade”. A Prof.ª Doutora Alexandra Sousa descreve que se tratam de “momentos únicos de aprendizagem, nos quais os participantes podem adquirir ou aprofundar conhecimentos e competências em diversas áreas da Medicina Cardiovascular, áreas essas que, pela sua relevância clínica ou pela crescente inovação tecnológica, justificam que se concretizem formações de contexto mais “específico e intensivo”.

Neste sentido, a profissional aprofunda quais as áreas que constam das temáticas a abordar nos cursos pré-congresso, nomeadamente a “insuficiência cardíaca, o doente crítico e a parte do ECO da arritmia, da Cardiologia de Intervenção e também a investigação clínica”.

As formações antecedentes ao congresso debruçar-se-ão sobre diversos domínios, entre as quais dedicadas à insuficiência cardíaca. Estas em concreto vão ser dirigidas pelo Prof. Doutor Rui Baptista, tratando-se “sempre de cursos muito procurados”. Têm como destinatários os “internos em formação específica, os médicos especialistas tanto de Cardiologia, como de Medicina Interna, de Medicina Geral e Familiar, ou seja, todas aquelas especialidades que lidam com o doente em insuficiência cardíaca”, informa.

Além disso, anuncia que vai haver ainda um curso remetido aos enfermeiros e que é coordenado pela Prof.ª Doutora Cândida Fonseca, esclarecendo que este surge devido à abordagem “multidisciplinar” que é feita perante o doente que detém insuficiência cardíaca.

No que concerne a uma das áreas em que a Cardiologia está muitas das vezes “envolvida”, vão haver cinco cursos “dedicados mais especificamente ao doente agudo, ao doente crítico”. Um deles é o curso da ECMO e suporte circulatório mecânico de curta duração, coordenado pelo Prof. Doutor Roberto Roncon. Esta formação vai contar ainda com “uma visita ao Centro de Referência de ECMO do Centro Hospitalar Universitário de São João”

Vão também realizar-se outros cursos, entre os quais o de “Arritmias no serviço de urgência”, o de “Ecografia”, um novo designado por “O essencial da Cardiologia de Intervenção”, sendo este “eminentemente prático” dirigindo-se aos internos em formação específica e para os “fellows de Cardiologia de Intervenção”.

Os participantes podem também assistir a uma formação online que pretende “versar o essencial da investigação clínica para os investigadores clínicos” destinado maioritariamente aos investigadores clínicos” de forma a que estes possam “dotar-se de ferramentas que permitam fazer a elaboração e a implementação de um estudo clínico de qualidade”.

“Cada vez mais a Medicina Cardiovascular é uma disciplina transversal”. Tendo isso em mente, a Prof.ª Doutora Alexandra Sousa enfatiza que as formações que estão programadas realizar-se correspondem a uma “vasta oferta de cursos que abarcam um grande público-alvo”, contemplando “formadores de excelência com provas dadas em todas estas áreas”.

Vídeo

Partilhar

Publicações