Mês da Saúde Digestiva: SPG reforça importância da prevenção do cancro colorretal

30/05/22
Mês da Saúde Digestiva: SPG reforça importância da prevenção do cancro colorretal

A Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) aproveitou o passado dia 29 de maio, Dia Mundial de Saúde Digestiva, para manifestar a urgência em prevenir o cancro do intestino. Esta mesma data assinala o início do Mês da Saúde Digestiva, iniciativa da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG), que junta à WGO na divulgação deste tema imperativo, bem como, alertar para a prevenção do cancro colorretal.

Diariamente morrem, em média, 11 portugueses por cancro colorretal (CCR), sendo a sobrevivência global aos cinco anos após o diagnostico de 50 %, se o diagnóstico for realizado precocemente a sobrevivência ultrapassa os 90%. (fonte: United European of Gastroenterology). Dada a relevância destes números, que demonstram a eficácia do diagnóstico precoce, a SPG apresentou este ano uma campanha de sensibilização que apela à pontualidade dos portugueses para a prevenção, através da deteção precoce por colonoscopia e subsequente ação preventiva, a partir dos 45 anos.

“A SPG está empenhada em contribuir para o aumento da consciencialização mundial sobre os fatores de risco do CCR, os benefícios do rastreio e as ferramentas práticas para implementar programas de rastreio e prevenção do CCR em todos os países” refere o Prof. Doutor Guilherme Macedo, atual presidente da SPG e da WGO.

A importância do rastreio por colonoscopia é reforçada pelo facto de esta poder proporcionar um tratamento curativo, preventivo, que é tanto mais eficaz quanto mais precoce for o diagnóstico e deteção das lesões precursoras (pólipos intestinais). A colonoscopia é, portanto, o método de rastreio e prevenção por excelência, ao permitir o diagnóstico e o tratamento no mesmo ato, promovendo uma efetiva prevenção da doença.

Importa também recordar que, os estilos de vida pouco saudáveis, como os que envolvem dietas com uma elevada quantidade de alimentos processados, a obesidade, o tabagismo e o elevado consumo de álcool, estão fortemente associados ao desenvolvimento de CCR.

Partilhar

Publicações