Universidade de Coimbra procura voluntários para estudo sobre envelhecimento

15/09/22
Universidade de Coimbra procura voluntários para estudo sobre envelhecimento

Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) procura voluntários para estudar o impacto do envelhecimento no cérebro. A manifestação de interesse para participar na investigação decorre até ao final do ano.

O estudo visa investigar os processos cerebrais que explicam as mudanças no processo de tomada de decisão associadas ao envelhecimento, informou a UC. “A investigação pode contribuir para um conhecimento mais detalhado do declínio cognitivo associado à idade, assim como para descobrir os mecanismos que levam ao desenvolvimento de doenças cerebrais degenerativas como a doença de Alzheimer”.

Podem participar nesta investigação voluntários da região de Coimbra, com idades compreendidas entre os 20 e os 30 anos e entre os 50 e os 70 anos.

Sobre o processo de participação no estudo, a coordenadora e investigadora da Faculdade de Medicina (FMUC) e do Centro de Imagem Biomédica e Investigação Translacional (CIBIT) do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra, a Dr.ª Maria Ribeiro, esclareceu que “as alterações cerebrais associadas à tomada de decisão vão ser localizadas usando imagens cerebrais adquiridas por ressonância magnética, que permitem estudar a estrutura e função do cérebro de forma não-invasiva”.

“No dia a dia, somos constantemente encarados com a necessidade de tomarmos decisões. No entanto, o modo pelo qual ajustamos este processo ao contexto é afetado pelo envelhecimento”, explicou a investigadora da UC.

A Dr.ª Maria Ribeiro salientou ainda que, “em particular, o envelhecimento afeta a maneira como a incerteza modula a tomada de decisão, levando a défices que podem ter consequências trágicas, como quando, por exemplo, o indivíduo, ao decidir atravessar a rua, não tem em consideração a incerteza associada à sua decisão”.

Para participar no estudo, não são consideradas pessoas com doença neurológica ou psiquiátrica, traumatismo craniano ou consumo atual de substâncias psicoativas (como, por exemplo, ansiolíticos, antidepressivos, antipsicóticos ou betabloqueadores).

A investigação conta também com o envolvimento do investigador da FMUC e do CIBIT/ICNAS, o Dr. Miguel Castelo-Branco, e é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

Para participar ou pedir esclarecimentos, contacte o número 915 234 593, o e-mail ou site da iniciativa.

Partilhar

Publicações