Genéricos antidiabéticos podem gerar poupança superior a 600 milhões de euros até 2025

14/11/22
Genéricos antidiabéticos podem gerar poupança superior a 600 milhões de euros até 2025

Na data em que se assinala o Dia Mundial da Diabetes, 14 de novembro, a Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos e Biossimilares (APOGEN) alerta para a necessidade de aumentar o acesso da população às terapêuticas associadas à doença e diminuir a despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e dos utentes. 

A diabetes é a área terapêutica que representa maiores encargos para o Estado no mercado ambulatório, apesar de ser uma das principais áreas a que os medicamentos genéricos e biossimilares dão resposta, pelo que a associação considera existir margem para aumentar a introdução destas tecnologias da saúde no sentido de diminuir a despesa.

Os medicamentos genéricos e biossimilares apresentam diferentes opções terapêuticas para o tratamento das pessoas com diabetes. “A diabetes é uma doença crónica relevante, não só pela sua incidência, prevalência e riscos acrescidos como pelos encargos que representa. A indústria de medicamentos genéricos e biossimilares está atenta a esta realidade e à necessidade de disponibilizar soluções que ajudem a melhorar a vida das pessoas com diabetes, assim como de contribuir para a sustentabilidade do Estado e das famílias. Apesar das dificuldades que a indústria atravessa no âmbito da atual crise económica, os novos medicamentos genéricos que têm vindo a ser lançados este ano para esta área terapêutica dão-nos uma perspetiva de poupança para o doente e para o SNS muito positiva”, afirma a presidente da APOGEN, Dr.ª Maria do Carmo Neves. A APOGEN estima que o lançamento de novos medicamentos genéricos antidiabéticos irá gerar uma poupança para o Estado e para os utentes superior a 600 milhões de euros até 2025 .

Segundo os dados mais recentes da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), entre janeiro e abril deste ano, a despesa do SNS com antidiabéticos (insulinas não incluídas) no mercado ambulatório aproximou-se dos 117,7 milhões de euros, ou seja 23,5 % da despesa total e apresenta um crescimento de +21,3 %.

Insulina biossimilar representa enorme potencial de poupança
Também as insulinas, com encargos de cerca de 24,4 milhões de euros, segundo o mesmo relatório, têm alternativa através da utilização de insulina biossimilar cuja quota de mercado é de apenas 20,6 %.

A Dr.ª Maria do Carmo Neves sublinha: “Os medicamentos biossimilares são soluções terapêuticas alternativas eficazes para o tratamento de uma variedade de doenças, nomeadamente a diabetes. A insulina biossimilar tendo um preço mais acessível contribui para a redução da despesa com medicamentos, promove a sustentabilidade do sistema e a melhoria do acesso ao tratamento, ajudando a transformar uma doença crónica, debilitante e dispendiosa, associada a complicações graves, numa doença controlável”.

A diabetes é uma doença metabólica crónica e progressiva, que se caracteriza por níveis elevados de glicose no sangue quando o corpo não produz insulina suficiente ou não a consegue utilizar, o que conduz a complicações de saúde, aumentando o risco de morte prematura.

Todos os anos, morrem mais de 4000 pessoas em Portugal devido à diabetes, sendo esta a quinta causa de morte no nosso país . Segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes, 2,7 milhões de portugueses sofrem da doença ou correm o risco de vir a desenvolvê-la .

Dados da OCDE revelam que a prevalência da diabetes em Portugal triplicou nos últimos 20 anos, sendo hoje a segunda mais elevada da UE . Em média, são registados cerca de 60 mil novos casos de diabetes por ano em Portugal . É expectável que a crise de Saúde Pública devida à pandemia da COVID-19 tenha agravado o número de casos de diabéticos não diagnosticados.

Partilhar

Publicações