Portugal é o sexto país da Europa que mais gasta com os AVC

27/03/13

Cerca de 1,3 milhões de europeus morrem de Acidente Vascular Cerebral (AVC) todos os anos e os AVC em doentes com Fibrilhação Auricular (FA) são mais graves do que os restantes.


Os doentes que sofrem daquela que é a forma mais comum de arritmia constituem um dos mais importantes grupos para reduzir o peso global, humano e económico, dos AVC.

O alerta é dado pelo Grupo de Trabalho para a Prevenção do AVC por Fibrilhação Auricular que, no seu mais recente relatório, concluído no último trimestre de 2012, reforça a necessidade de agir de forma concertada, em termos clínicos e da política de saúde, para travar o que ameaça ser uma nova "epidemia".

O relatório divulgado no âmbito do Dia Nacional do Doente com AVC, que se assinala dia 31 de março, estima que existam cerca de 140 mil doentes em Portugal com FA, com idade igual ou superior a 40 anos e que em 2010 os AVC eram responsáveis por cerca de 2,5 mil milhões de euros de custos anuais, tornando-se o sexto país da Europa que mais gasta em AVC por ano.


How Can We Avoid a Stroke Crisis in Europe?
Desenvolvido no âmbito da plataforma Strike Out Stroke, o Estudo "How Can We Avoid a Stroke Crisis in Europe?" resulta do trabalho conjunto de mais de três dezenas de académicos e clínicos, na sua maioria europeus, que representam várias organizações. É o caso, nomeadamente, da Stroke Alliance For Europe, European Stroke Organisation ou a European Primary Care Cardiovascular Society. O estudo também é apoiado por associações de doentes e por uma das farmacêuticas de referência atualmente a atuar e inovar na área da cardiologia, a Bayer HealthCare Pharmaceuticals.

 

Partilhar

Publicações